today777 oficial -1- Milei, fruto da crise econômica Continua após a publicidade É fato que a crise econômica que faz

Cinco equívotoday777 oficial -cos sobre Javier Milei

1- Milei,today777 oficial - fruto da crise econômica

Continua após a publicidade

É fato que a crise econômica que faz com que a Argentina tenha uma das maiores taxas de inflação do mundo, ultrapassando os 100% ao ano, deteriora as condições de vida de toda a população. Esse fato não é nada trivial e não pode ser lido como secundário. Por outro lado, não é possível tratar a esfera econômica como desassociada da esfera política nacional e internacional. Explicar a meteórica ascensão política de Javier Milei como uma resposta social à crise econômica é fácil, porém insuficiente, para não dizer preguiçoso.

O fenômeno Milei possui muitas particularidades, mas não é um raio em céu azul. Ele está inserido em uma onda global de avanço das extremas direitas populistas em todo o mundo. Podemos citar alguns exemplos como Bolsonaro, no Brasil; Trump, nos EUA; o partido Vox, na Espanha; e o partido AfD, na Alemanha. Em comum, esses partidos e lideranças são caracterizados pelo antagonismo à política tradicional e à democracia liberal; pelo incentivo à xenofobia; pelo militarismo; pela misoginia; e pelo conservadorismo político associado a valores religiosos.

Sim, Milei encontrou em um país devastado pela crise um cenário propício para o seu discurso extremista. Ao mesmo tempo, Milei utiliza-se de táticas amplamente testadas em países como Brasil e Espanha que envolvem a utilização de fake news, mobilização do medo e deslegitimação das instituições democráticas. Sendo assim, o fenômeno Milei, apesar de ancorado em questões econômicas, não deixa de ser profundamente político.

2- Milei é um liberal

Milei não é um liberal, é um extremista de mercado que flerta com valores conservadores. Seu antiestatismo econômico é apenas um dos muitos pilares do liberalismo. Novamente, olhar apenas para a economia é um erro.

Precisamos levar em consideração que o liberalismo, como conjunto ideológico, não é homogêneo, ou seja, existem muitas variações de liberalismo. Em nenhuma delas, por exemplo, seria aceita a defesa da relativização das violações aos direitos humanos, como faz Victoria Villaruel, candidata a vice-presidente na chapa de Milei e aberta defensora dos militares que comandaram o extermínio e desaparecimento de 30 mil argentinos (cifra amplamente aceita por pesquisadores e organizações nacionais e internacionais de direitos humanos, porém questionada por Villaruel). Aliás, cabe lembrar que a própria noção de direitos humanos é uma construção liberal.

Ainda há um último ponto que afasta Milei do liberalismo: sua aproximação repentina com o conservadorismo. Qualquer liberal que se preze defende que o direito ao aborto é uma liberdade individual inviolável. Para não contrariar seus eleitores religiosos e sua rede internacional de apoio, Milei passou a atacar a descriminalização do aborto, recente conquista das mulheres argentinas. Que liberal é esse que quer que o Estado e a Igreja digam a uma mulher o que fazer com seu corpo?

3- Milei combate a casta política

Ao contrário de Jair Bolsonaro, seu apoiador de primeira hora, Milei realmente veio de fora do sistema político tradicional, o que tampouco quer dizer que ele não se adaptou muito facilmente a ele. Até pouquíssimo tempo, Milei esbravejava contra tudo e todos. Eram todos corruptos, parte da casta, gente que vivia de privilégios concedidos pelo Estado, afirmava o economista.

Com o avançar do processo eleitoral, Milei precisou de aliados e não teve vergonha de procurar antigos desafetos, políticos profissionais de longa data. O primeiro foi o ex-presidente direitista Mauricio Macri, a quem Milei outrora chamou de "socialista", "repugnante", "medíocre e covarde". Logo depois, aliou-se a sua ex-concorrente Patricia Bullrich, a quem chamou de 'montonera [guerrilheira peronista ativa nos anos 1970] assassina" em pleno debate presidencial. Por fim, Milei chegou a ter o apoio de Luis Barrionuevo, um dos maiores símbolos de um tipo de sindicalismo oligárquico e corrupto que existe na Argentina. Essa aliança, no entanto, não durou muito. Barrionuevo retirou seu apoio após o anúncio da aliança com Macri, antigo desafeto.

4- Milei faz sua campanha sem grandes apoiadores

Milei está recebendo o apoio da maior parte dos grandes meios de comunicação argentinos. Os mesmos que, anos antes, o elevaram à condição de comentarista econômico conhecido nacionalmente. Em 2018, por exemplo, quando Milei ainda não era candidato, ele deu 235 entrevistas, passando 193.547 segundos em rede nacional. Isso é muito mais tempo do que qualquer outro economista teve no mesmo período.

Alguns canais de televisão, como o LN+, apresentam uma cobertura abertamente favorável a Milei. Ademais, não seria exagero considerar o radialista Alejandro Fantino e o apresentador Mauro Viale verdadeiros padrinhos da campanha do economista. Ambos tinham Milei como convidado recorrente em seus programas e são defensores das propostas apresentadas pelo candidato.

Isso sem contar o suporte oferecido por empresários e por latifundiários da poderosa Sociedade Rural Argentina. Só para citar alguns nomes, em um primeiro momento Milei foi apadrinhado pelo bilionário empresário do ramo das telecomunicações Eduardo Eurnekian. Mais recentemente, o apoio veio de Marcos Peña Braun, membro de uma família dona de uma rede de supermercados e outros negócios na Patagônia. E não para por aí: muitos dos exportadores enxergam com bons olhos a proposta de dolarização apresentada por Milei, uma vez que isso representará uma imediata valorização da moeda estadunidense com a qual são pagos, mesmo que isso aumente ainda mais a inflação e coloque mais alguns milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza.

5- Milei tem um projeto novo para a Argentina

Após anos de instabilidade econômica, sob o comando de diferentes partidos e governantes, parece tentador votar em alguém que promete algo radicalmente diferente. Milei usa e abusa de um vocabulário "economiquês", apresenta fórmulas e cita teoremas. Para um leigo, soa como alguém bem preparado e com ideias novas. Para qualquer um com um mínimo conhecimento sobre econômica, soa como um enganador.

Suas propostas para a Argentina são vagas, confusas e quase sempre impraticáveis, portanto, não configuram um projeto. O pouco do que ele apresenta que pode ser considerado inteligível, nada tem de inovador, é pura destruição: desmantelar o sistema público de educação, saúde, aposentadoria; eliminar a moeda nacional e com ela a soberania econômica do país; e acabar com os programas sociais que garantem o mínimo de dignidade a milhares de pessoas. Se isso pudesse ser considerado um projeto, seria de miséria e sofrimento para muitos e enriquecimento para poucos.

Rafael Rezende é mestre e doutor em sociologia pelo IESP-UERJ. Foi pesquisador visitante na Universidad de Buenos Aires e atualmente é pesquisador visitante na Ruhr-Universität Bochumn, na Alemanha. Pesquisa, entre outras coisas, movimentos sociais e economia popular na Argentina.
 

Edição: Thalita Pires


Relacionadas

  • Eleições na Argentina: Sergio Massa apresenta propostas claras, e Javier Milei demonstra 'instabilidade emocional'

  • Eleições na Argentina: Milei promete cortar relações com o Brasil, se eleito, e afirma que governos devem se ausentar de questões comerciais

  • 'Milei é pior que Bolsonaro': como eleições podem mexer nas relações entre Brasil e Argentina

Outras notícias

  • Um justo entre as nações

  • Extremos climáticos na Amazônia e o desafio do bem viver

  • Até quando teremos que perguntar quem mandou matar Marielle e por quê?

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap