casino s bonusem za registraci -O deputado federal Duarte Júnior (PSB-MA) protocolou uma notícia-crime no Minist&eacut

Lawand é denunciado casino s bonusem za registraci -por falso testemunho, Renan acusa Lira

O deputado federal Duarte Júnior (PSB-MA) protocolou uma notícia-crime no Ministério Público do Distrito Federal contra o coronel Jean Lawand Júnior por suposto falso testemunho em seu depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro,casino s bonusem za registraci - nesta terça-feira (27).

Continua após publicidade

De acordo com o congressista, o coronel distorceu o conteúdo de suas mensagens enviadas a Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), que tratavam de um golpe no país. Nas conversas encontradas pela Polícia Federal (PF), o coronel pede para Cid convencer o ex-presidente a dar uma ordem de intervenção ao comando das Forças Armadas contra o resultado das eleições que consagrou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como presidente. "Ele [Bolsonaro] não tem nada a perder. Ele vai ser preso e o pior: na Papuda", afirmou Lawand em uma das mensagens enviadas a Cid.

Leia mais: O que a PF encontrou no celular de Mauro Cid sobre plano golpista?

"Cidão, pelo amor de Deus, cara. Ele [Bolsonaro] dê a ordem que o povo tá com ele, cara. Se os caras não cumprir (sic), o problema é deles. Acaba o Exército Brasileiro se esses caras não cumprir a ordem do, do Comandante Supremo. Como é que eu vou aceitar uma ordem de um general, que não recebeu, que não aceitou a ordem do comandante? Pelo amor de Deus, Cidão. Pelo amor de Deus, faz alguma coisa, cara. Convence ele a fazer", disse Lawand em um dos áudios enviados a Mauro Cid, em 30 de novembro de 2022, segundo transcrição da PF.

Aos congressistas, no entanto, o coronel afirmou que os pedidos feitos a Mauro Cid diziam respeito a uma "ordem de apaziguamento" diante das manifestações golpistas, e não a uma ordem de golpe de Estado. Mas as justificativas não foram suficientes para sustentar a versão diante das mensagens colhidas pela PF. "O senhor fica absolutamente desconfortável e tenta fazer explicações que não se asseguram, que não tem uma sustentação pratica", afirmou a relatora da CPMI, a senadora Eliziane Gama (PSD-MA).

Renan acusa Lira de receber informações privilegiadas da PF

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) acusou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de ter acesso a informações privilegiadas da Polícia Federal (PF) e vazá-las para lideranças políticas regionais durante as eleições. O congressista também atribuiu a Lira o aparelhamento e interferência nos trabalhos da superintendência da PF de Alagoas.

"Ele (Lira) anunciou para todos que estava nomeando a superintendente da Polícia Federal em Alagoas, se não me engano, em junho de 2022, Juliana de Sá Pereira Gonçalves, e que ela iria fazer a investigação de um fato que havia acontecido no âmbito da Assembleia Legislativa", disse Calheiros em depoimento à PF no fim de março, na condição de testemunha.


Arthur Lira (PP-AL) / Marina Ramos/Câmara dos Deputados

Segundo o congressista, a delegada permitiu que Lira tivesse acesso a uma operação da PF contra o prefeito de Rio Largo, Gilberto Gonçalves (PP), antes de a corporação ir para as ruas. Ele foi alvo da Operação Beco da Pecúnia, que investiga desvio de recurso do Fundo Nacional de Educação Básica (Fundeb) e do Sistema Único de Saúde (SUS).

"Uma coisa que eu acredito que jamais aconteceu na história das investigações sigilosas é que o advogado do prefeito Gilberto Gonçalves e do Arthur Lira, chamado Fábio Gomes, pediu um habeas corpus ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região. O advogado disse que o prefeito não poderia ser preso com base nas informações que recebeu. Recebeu de quem? Recebeu da superintendente, porque era ela que tinha relação com o deputado e foi levada para Alagoas para isso tudo", afirmou Calheiros.

O caso tramita na coordenação-geral de assuntos internos da Corregedoria da PF, em Brasília, desde o fim do ano passado. Em outubro, as investigações resultaram no afastamento do governador e então candidato à reeleição Paulo Dantas (MDB), aliado de Calheiros.

Lula indica primeira mulher negra ao TSE

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) indicou a advogada Edilene Lôbo para uma vaga de ministra substituta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), conforme anunciado pelo presidente da Corte, o ministro Alexandre de Moraes, nesta terça-feira (27). Ela é a primeira mulher negra a ocupar o cargo.

:: Relator vota por tornar Bolsonaro inelegível por oito anos; julgamento é retomado na quinta::


Edilene Lôbo / Will Shutter/Agência Câmara

O nome de Lôbo estava na lista tríplice enviada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao presidente Lula para a ocupação da vaga. Além da advogada, estavam na seleção Daniela Borges, mais próxima do PT, e Marilda Silveira, próxima do ministro da Justiça Flávio Dino. 

PF cumpre mandado de busca e apreensão contra possível financiador dos atos golpistas

A Polícia Federal (PF) cumpriu, nesta terça-feira (27), um mandado de busca e apreensão contra o empresário Milton de Oliveira Junior, suspeito de financiar os atos golpistas de 8 janeiro, que culminou na invasão e depredação dos prédios dos Três Poderes.

Dono de uma rádio que era afiliada à Jovem Panem Itapetininga (SP), Junior declarou que financiou os golpistas que participaram dos atos durante o espaço da programação local, em abril deste ano.

:: MPF pede cancelamento de licença da rádio da Jovem Pan por conteúdos antidemocráticos::


Milton de Oliveira Junior / Reprodução/Youtube

Após a declaração, a Jovem Panrompeu o contrato com a rádio de Junior. "O contrato com a DPV Limitada, empresa que administrava a Jovem Pan Itapetininga, foi rompido de imediato, por iniciativa do Grupo Jovem Pan, logo após a fala do radialista que usou o espaço da programação local da afiliada para manifestar apoio aos atos criminosos de 8 de janeiro e para declarar ter apoiado financeiramente os protestos que levaram à depredação em Brasília", diz o comunicado.

"O Grupo Jovem Panreforça a posição em defesa da democracia e do Estado de Direito, razão pela qual se viu obrigado a adotar medidas legais contra o empresário Milton Oliveira com o objetivo de preservar a credibilidade de uma empresa que tem 80 anos de história na radiodifusão", completa a nota.

Edição: Nicolau Soares


Relacionadas

  • Plano Safra traz apoio inédito à agricultura familiar: confira expectativas e desafios do setor

  • Relator vota por tornar Bolsonaro inelegível por oito anos; julgamento é retomado na quinta

  • MPF pede cancelamento de licença da rádio da Jovem Pan por conteúdos antidemocráticos

Outras notícias

  • Moro atuou por extradição na Lava Jato, suposto agente infiltrado do ex-juiz depõe à PF e mais

  • Motociata sem capacete? MP investiga inércia da PRF; deputado Gayer responde por racismo e mais

  • Golpista é pré-candidato pelo PL no Pará, Exército pagou R$ 4,6 mi à ex de Ailton Barros e mais

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap