bbrbet cassino -A Polícia Federal pediu nesta sexta-feira (11) a quebra dos sigilos bancários e fiscais do ex- presi

Polícia Federal pedbbrbet cassino -e quebra de sigilo fiscal e bancário

A Polícia Federal pediu nesta sexta-feira (11) a quebra dos sigilos bancários e fiscais íciaFederalpedequebradesigilofiscalebancábbrbet cassino -do ex- presidente Jair Bolsonaro (PL).

Continua após a publicidade

O pedido ocorre após a operação da PF que fez buscas e apreensões em endereço do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro; do pai de Cid, o general da reserva Mauro Lourena Cid; e de outros aliados do ex-presidente.

O órgão suspeita que Bolsonaro utilizou a estrutura do governo federal para desviar presentes de alto valor ofertados à Presidência. Pela lei, presentes recebidos por presidentes devem ser incorporados ao acervo do Estado.

:: Mauro Cid tentou acessar e-mail funcional 99 vezes após ter login bloqueado pelo governo, aponta Casa Civil ::

O objetivo do pedido da quebra de sigilo é averiguar se o dinheiro das joias foi enviado para Bolsonaro e se a verba para a recompra das itens partiu do ex- presidente.

A Justiça ainda tem que autorizar a quebra de sigilo.

Entenda o caso

Nesta sexta-feira (11), a PF cumpriu um mandado de busca em endereços de nomes ligados ao ex- presidente Jair Bolsonaro (PL) por suposta venda de presentes entregues por delegações estrangeiras à Presidência.

Entre os alvos, estavam o general da reserva Mauro César Lourena Cid, pai do ex-ajudante de ordens Mauro Cid; o segundo-tenente do Exército Osmar Crivelatti, braço direito de Mauro Cid; e o ex-advogado da família Bolsonaro Frederick Wassef.

:: Os trapalhões: rosto de pai de Mauro Cid aparece em foto usada para negociar esculturas nos EUA ::

Em nota, a PF afirmou que todos são suspeitos de "desviar bens de alto valor patrimonial, entregues por autoridades estrangeiras em missões oficiais a representantes do Estado brasileiro, por meio da venda desses itens no exterior". A diligência é um desdobramento do inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a atuação de milícias digitais.

Os valores obtidos com as vendas teriam sido "convertidos em dinheiro em espécie e ingressaram no patrimônio pessoal dos investigados, por meio de pessoas interpostas e sem utilizar o sistema bancário formal, com o objetivo de ocultar a origem, localização e propriedade dos valores".

Nessa mesma linha, Mauro Cid também é alvo de um inquérito que apura o caso das joias da Arábia Saudita, presentes dados à Presidência da República, mas que foram trazidas ilegalmente ao Brasil e incorporadas ao acervo pessoal de Bolsonaro durante o seu mandato. Segundo a PF, Cid tentou reaver as joias que foram apreendidas pela Receita Federal no Aeroporto Internacional de Brasília.

Edição: Thalita Pires


Relacionadas

  • Os trapalhões: rosto de pai de Mauro Cid aparece em foto usada para negociar esculturas nos EUA

  • Mauro Cid tentou acessar e-mail funcional 99 vezes após ter login bloqueado pelo governo, aponta Casa Civil

  • Mauro Cid fica em silêncio em depoimento à CPMI do 8 de Janeiro

  • Ex-assessor de Bolsonaro é alvo de busca e apreensão no caso das joias

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap